O que está se passando por esta cabeça?

O resultado do ENEM saiu um dia antes de eu escrever esse texto e confesso que não fiquei surpresa.

 

alunos

Inicialmente, vamos ter um panorama da importância da prova do ENEM em termos de processo seletivo, pois bem, ela é válida para todas as universidades particulares no Brasil e algumas em Portugal. Também temos a adesão da maioria das universidades públicas (sejam federais ou estaduais) pelo processo seletivo. Em algumas dessas, ainda sendo a única forma de seleção e a outra parte disponibiliza um número parcial de vagas (normalmente, 50% destas)

Por outro lado, temos cursinhos preparatórios e colégios que a tomam como foco principal para a preparação do conteúdo da aula de Redação e, também, para a avaliação de provas (geralmente, os três últimos anos escolares no ensino regular), a dedicação e investimento dos colégios, editoriais e sistemas de ensino em fomentar e elaborar um material de alto nível é notório.

E, mesmo com todo esse contexto, vamos aos catastróficos resultados na redação do ENEM. Sentem-se em suas poltronas e afivelem seus sensos auto analíticos, prontos?

Bem, aqui estão os números referentes a candidatos que tiraram nota 1000:

2013: tivemos um percentual de 0,009%

2014: esse numeral foi de 0,004%

2015: foi de 0,002%

2016: tivemos o índice de 0,001%

 

Mas o que há?

educacaoO crivo dos nossos corretores estão cada vez mais agudos ou nossos alunos, por sua vez, não conseguem responder à altura do que é necessário na elaboração textual? Ou, será ainda que a questão é fruto de um processo osmótico no qual uma dificuldade (leitura, interpretação, argumentação de fatos e elaboração de sugestões) intrínseca e claramente, evidente a olhos nus, permeia-se e está se espalhando com certa rapidez e pressão em todos os setores da sociedade?

Então, com certeza, é esta última alternativa a que gabarita nossa questão crucial: O que que há? O que está se passando com essa cabeça?

Quando olhamos esses números, estamos (sim , reforço o uso da terceira pessoal do plural) olhando para um reflexo de nós mesmos como sociedade, vamos tomar a responsabilidade para cada um de nós (pais , Estado e indivíduo), afinal, o professor sozinho não teria tamanha influência negativa para ser o único personagem responsável por tal cenário; sabe quando seu amigo lhe pede alguma explicação ou argumentação de determinado assunto e você não sabe como responder com uma sequência lógica (apresentação ,argumentação e solução do problema)? Ou então, quando você precisa vender sua ideia no trabalho e mal consegue fazer as pessoas te ouvirem por um minuto e logo, alguém lhe interrompe?

É claro que não estamos sendo assertivos, coesos, coerentes e claros com as palavras; afinal, a redação do ENEM quer que o candidato seja cabeça pensante: exponha, argumente e proponha uma solução para a problemática apresentada.

Por fim, já vou responder sua pergunta: e o que resolve isso? É a leitura elevada à segunda ou à terceira potência, não há outro caminho. Como se almeja que um mestre em caratê vença um campeonato? Ele treina não somente o golpe mas sim o passo a passo do golpe, exaustivamente; então, se quer treinar a escrita, treine a leitura (um passo anterior).

Não estude PARA passar,estude ATÉ passar!

O tempo vai passar de qualquer forma, você desistindo ou persistindo. Então escolha como irá aproveitá-lo: lamentando-se ou se esforçando

Mental health issues like anxiety or depression can affect student's schoolwork, and can be identified with screenings by the MSU Counseling Center. The Center will be hosting free screening at different locations around campus on Thursday. Lauren Wood/The State News

Nessa época de divulgação de resultados de provas e notas de corte dos cursos técnicos e superiores, sempre tem os alunos que não conseguiram se classificar para a vaga tão almejada. Óbvio e normal (somos humanos), o primeiro sentimento da maioria é o desânimo, o questionamento (se vale a pena) e a frustração de não ter conseguido.

Faz parte, eu compreendo; afinal, nós que os preparamos também temos um misto de sentimentos e avaliamos a situação, o tempo de preparo, as técnicas, o desenvolvimento e, claro, o resultado. Mas, após analisar tudo isso, identificamos o que poderia ter sido diferente e pronto, aplicamos para o ano seguinte e segue a vida.

Mas quero abordar sob a ótica do aluno. Saiba que a probabilidade de não ser classificado existe. Quantas vezes você conseguiu algo na primeira tentativa? Quantas vezes você precisou esfriar a mente e pensar num modo diferente e melhor de tentar novamente? Desde as coisas mais simples até as mais difíceis, então, converse com um adulto que você admira ou pesquise sobre ele (caso não tenha contato) quais foram as melhores (pode ser até simples) e maiores (as mais difíceis) conquistas dele.

Explore as dificuldades e as várias vezes e formas que ele tentou, pois tenho certeza que, na maioria delas, o dardo não atingiu o alvo no primeiro arremesso.

Tal conquista não deve ter sido a mais fácil e até teve situação em que ele deu um tempo, repensou se era aquilo mesmo que realmente queria e voltou ao caminho inicial para tentar de novo, só que dessa vez com mais afinco e sem olhar para os lados (para não ficar na dúvida, para não se comparar com quem já conseguiu, para não se sabotar dizendo que não tem capacidade, para não enumerar diversos motivos pra parar, para blá blá blá…).

Volto a dizer: tudo isso custa muita coisa, como dedicação, compromisso, horas de diversão a menos e etc. Mas o que custa mais caro aqui e é irreversível é o tempo dedicado/sacrificado. Esse é impossível reverter e não é possível dizer o quanto vale ou custa. Não queira ter um cemitério de sonhos, não, nem pensar, eu te proíbo, simplesmente proíbo. Quando sua certeza for posta em xeque, continue a estudar, continue o caminho. Parar é lamentar, é perda de tempo.

Por fim, aluno (seja concurseiro ou vestibulando), não estude PARA passar e sim estude ATÉ passar. Esteja certo do curso/vaga que quer e seja bitolado mesmo, não alimente a expectativa, faça planejamento de estudo, peça ajuda, prepare-se, conheça pessoas que conseguiram o que você quer. Pergunte a elas como fizeram, encontre sua FORMA DE ESTUDAR e, quando estiver desgastado, faça coisas que AMA fazer.

Recarregue as baterias, como diz a música: “…você é o único representante do seu sonho na face da Terra; se você não correr atrás, quem irá ?…” Por fim, não olhe necessariamente para o tempo, olhe para o método o resultado. Assim, de alguma forma, você chegará lá e tudo terá valido a pena.

Eu detesto história e geografia

Ainda me assusta quando ouço jovens afirmando que não entendem do assunto e assim preferem. Isso numa época em que o raciocínio é mais importante do que nunca

historia

“Tanto na política como na vida, a ignorância não é uma virtude.” Essa é uma das frases frisadas por Obama em uma cerimônia de colação de grau na Universidade Rutgers. Naquele momento, ele se referia ao período de pré-eleições dos EUA e, aqui, eu vou me referir a qualquer que seja sua atividade (curso/escola/faculdade).

Pois não há como ampliar sua consciência e visão da sociedade em que você vive se não acompanhar as transformações políticas, sociais e econômicas; ainda me assusta quando ouço jovens afirmando que não ‘entendem de política’ e assim preferem. Como assim? É como estar num jogo de futebol e não saber quem mais precisa marcar gol ou quais as regras (o que pode e o que não pode) do jogo. Ou, então, em quais funções os jogadores estão distribuídos.

E para você, vestibulando/concursando/aluno em geral, o raciocínio é mais importante do que nunca, uma vez que, para ir bem nas provas, saber interpretar o enunciado e relacionar com o conhecimento absorvido é fundamental para ser assertivo na hora de responder.

Entenda que este momento é crucial para você ir formatando suas ideias e opiniões acerca de sua participação nessa sociedade. Afinal, você está inserido nela e influencia e é influenciado por ela.

Além disso, vou te dar outro grande motivo: o vestibular/concurso vai demandar que você esteja a par de diversos fatos/acontecimentos e suas causas e consequências. Se acha tão chato e maçante ler porque a leitura é cansativa ou usa termos que a torna enfadonha, converse com um adulto que você admira (seus avôs ou tios mais velhos já vivenciaram algumas décadas de história) e o bate papo pode ser mais leve, descontraído e interessante.

Ou então, procure um desses canais na internet que utilizam uma linguagem mais simples e direta. Pode acreditar: fará diferença agora e na sua vida adulta.

Tomar conhecimento de como as coisas no seu meio funcionam faz com que as questões da prova fiquem mais simples e fáceis de compreender para que você possa responder de forma correta e se sinta mais seguro. Além disso, os acontecimentos passarão a fazer sentido pra você, não serão fatos soltos e desconexos que obrigam você a decorar datas e nomes de forma automática e, logo que faz a prova, é como se as informações fossem jogadas no lixo.

Você faz questão de esquecer aqueles assuntos/nomes chatos e quando precisa entender um assunto ‘novo’ que tem raiz no assunto ‘velho’, fará todo um esforço de decorar novamente e de forma desgastante. Bem, está na hora de tornarmos o estudo de história, geografia, sociologia e filosofia mais fácil, você não acha?

Converse com seu professor, procure um desses canais de plataformas de vídeos ou puxe assunto com seu avô. Tenta e me fala como foi.

Redação,pra quê te quero?

Quantas vezes você se sentou pra iniciar a redação (naquela prova importante) e simplesmente ,travou! E ,mesmo quando as ideias se desenvolveram ,tudo o que foi colocado no papel parece estar sem sentido ou a argumentação está fraca.

                  ilustra_redacao_241014

 

 

 

Foi pensando nisto que há alguns anos faço um roteiro de como redigir uma redação ,assim você tem um passo a passo pra seguir e o tal branco  e a insegurança não têm espaço ,bem chega de conversa e vamos testar? Segue abaixo ,vem comigo:

1)Leia a proposta com atenção: este é o ponto mais importante porque errou nele e sua redação está fadada ao zero, então, leia atentamente o que se pede como a quantidade exigida de linhas , o gênero de texto ,as instruções, o texto de apoio ,as referências bibliográficas e as imagens com atenção.

2)Faça uma apresentação clara, concisa e chamativa : o seu primeiro parágrafo tem que ser um chamariz pra que o corretor do seu texto se sinta interessado em ler o restante e ,também , deve conter o tema de forma clara e resumida ,sem muita delonga por dois motivos : a quantidade de linhas é pouca e a redundância não agrega nesse tipo de texto.

3)Organize suas ideias e escolha de 2 a 3 argumentos (um pra cada parágrafo) bem distintos um do outro e os baseie em dados , fatos históricos , conhecimento advindo de estudioso/especialista do assunto  e pesquisas que possam dar credibilidade pra sua argumentação ,tornando-a mais crível e mais sedimentada ,ficando mais fácil de convencer seu leitor/corretor acerca da sua posição.

4)No ENEM ,é solicitado que o candidato apresente uma proposta de solução e esta deve ser possível de ser realizada ,ou seja, plausível/cabível não deve ser um colocação mirabolante ,pois o que o que a banca quer é que você seja cabeça pensante mas com os pés no chão .E na FUVEST ,eles pedem apenas uma conclusão ou um fechamento sobre o assunto colocando os pontos mais relevantes.

5) E, por fim, revise sua redação a fim de corrigir erros gramaticais, ortográficos , de coesão e de coerência para que sua ideia não seja prejudicada por itens técnicos ,entende ?

 

Ademais, como se não bastasse tudo explicado acima, treine de uma a duas vezes por semana porque a redação pode alavancar seus pontos e a prática é o que pode fazer você melhorar sua organização de ideias , ficar mais rápido na escrita e ,ainda, pegar o modo com que estruturar cada parágrafo de acordo com sua função.

Mande suas redações para o e-mail contato@didasko.net.br e respondo suas dúvidas.

10 Dicas Turbinadas para Memorização

                      Você adorou a aula mas sabe que vai esquecer?Ou então  estudou para a prova mas sempre ‘dá um branco ‘ ? Ou até mesmo na hora de dar continuidade no conteúdo esqueceu do tema anterior?

Utilizo algumas técnicas sagradas para facilitar os meus estudos,veja se alguma delas você é nova pra você e pode te ajudar:

DirectPass-Girl-Stickie-Image2

1)PERGUNTE:

Para consolidar o aprendizado, “em sala de aula o aluno deve ser curioso, fazer perguntas, abordar o professor e sair sabendo o conteúdo”, explica Renato Alves, preparador mnemônico;

 

2) LEIA E RELEIA:

 

Ler e reler são importantes estratégias para a memorização. “A primeira é superficial, apenas ajuda a preparar a memória; já a releitura dá início à fixação do conteúdo”, afirma o treinador mnemônico Renato Alves

 

3)TATUE ESSA INFORMAÇÃO NO SEU CÉREBRO:

Uma vez que você assistiu aula e leu um livro, você vai fazer a confirmação e jogar isso para a memória e, mentalmente, repassar o conteúdo. Submeter o conteúdo às nossas três memórias: a memória visual (que fazemos relação com imagens), a auditiva (ler em voz alta, por exemplo) e sinestésica (contar aquilo com gestos e movimentos) é uma ótima forma de estimular a memória”, diz o especialista;

 

4)TIRE TODAS AS DISTRAÇÕES:

A concentração é uma função do cérebro que precisa de estímulo. Quanto mais estímulo existir entre aluno e fonte maior o grau de concentração. Sentar-se na primeira fileira da sala, por exemplo, é um bom incentivo à concentração;

 

5)DURMA BEM:

O cansaço atrapalha na hora da memorização. “Melhor do que lutar contra o sono, é descansar. O resultado é sempre melhor quando mente e corpo estão descansados”, afirma o treinador mnemônico Renato Alves. Mas se não tiver jeito de dormir, uma dica é o estudante ler de pé. “Isso inibe o sono”, comenta o especialista;

 

6)ALIMENTE-SE BEM:

A alimentação também não pode ficar de lado: quando o estudante pula uma refeição, o metabolismo é reduzido e ele perde a concentração;

 

7)INTERPRETE EM VOZ ALTA:

Durante a leitura, o aluno deve resistir à ideia de marcar o texto. “Primeiro, é melhor explicar para ele mesmo cada trecho do texto sobre o que o texto fala e só após entender o conteúdo, fazer anotações”, afirma o especialista Renato Alves;

 

8)TESTE SEUS CONHECIMENTOS:

O aluno deve abusar de simulados. Testes ajudam a criar memória de longa duração. “Quando o aluno faz e refaz exercícios, cria memória de longo prazo. Isso inibe a insegurança na hora de uma prova, por exemplo”;

 

9)FAÇA CONEXÕES ENTRE O QUE APRENDEU E O QUE JÁ SABE:

Aprender é um processo conectado, e não individual. Uma maneira excelente de fixar algo novo é conectando isso com algo que você já saiba ou conheça. Por exemplo: ao aprender uma palavra nova em outra língua, você pode tentar conectá-la com um som com que ela se pareça em uma língua que você já conheça, por exemplo;

 

10)ANTES DE DORMIR E LOGO QUE LEVANTAR:

Estudar nessas horas é uma boa maneira de fixar conteúdo, por causa das substâncias químicas liberadas pelo cérebro nesses horários.

 

E aí?O que achou?Escreva num post it e cole no seu caderno ou na sua escrivaninha,lembre-se técnica é mais eficaz que fazer descompassado.

 

Fazer ENEM por quê?

Muitas vezes os alunos não sabem todas as portas que o Enem abre,então,por isso vou detalhar abaixo:

 

provas-de-concursos-dicas

1. Bolsa de Estudos do ProUni

O Enem serve para entrar no Programa Universidade para Todos (ProUni), uma iniciativa do Governo Federal que concede bolsas de estudos parciais e integrais em faculdades particulares para quem ainda não tem um diploma de nível superior.

O ProUni acontece duas vezes por ano, no início do primeiro e do segundo semestre. Para se inscrever, é obrigatório ter feito o Enem no ano anterior e ter um bom desempenho no Exame: pelo menos 450 pontos nas provas objetivas e nota maior do que zero na redação.

Quanto maior a sua nota do Enem, maiores as chances de conseguir uma bolsa em faculdade particular pelo ProUni. Isso porque o processo seletivo classifica os candidatos exclusivamente pela nota do Enem, preenchendo as vagas com aqueles candidatos que obtiveram as maiores notas no Exame e concorrem a uma vaga no mesmo curso e faculdade.

O ProUni tem também requisitos de renda e escolaridade, entre outros. O processo é gratuito e as inscrições são feitas pela Internet, usando o mesmo número de inscrição e senha do Enem.

2. Vaga em universidade pública sem vestibular, com o Sisu

O Enem também serve para participar do Sistema de Seleção Unificada, um programa do Governo Federal que classifica candidatos a uma vaga em universidades públicas utilizando somente a nota do Enem, sem a necessidade de fazer o Vestibular Tradicional.

O Sisu também acontece duas vezes por ano, no primeiro e no segundo semestre. Não tem limite de renda para participar, mas o candidato precisa ter feito o Enem no ano imediatamente anterior e não pode ter zerado na redação. As universidades participantes podem determinar notas mínimas para entrar em seus cursos.

As inscrições para o Sisu são gratuitas e devem ser feitas pela Internet.

3. Financiamento do FIES

Quem concluiu o Ensino Médio a partir de 2010 precisa ter feito o Enem para solicitar o FIES.

O FIES é um financiamento do Governo Federal que ajuda a pagar a faculdade privada. A taxa de juros é de 3,4% ao ano e o estudante só começa a pagar a dívida um ano e meio depois de formado.

As regras do FIES mudaram em 2015 e agora, além de ter feito o Enem, quem se formou a partir de 2010 deve apresentar um desempenho mínimo no Exame para participar: 450 pontos nas provas objetivas e nota maior do que zero na redação.

Professores efetivos da rede pública de ensino não precisam fazer o Enem caso estejam pedindo o FIES para pagar curso de licenciatura, normal superior ou pedagogia.

Quem se formou antes de 2010 também não precisa apresentar nota do Enem.

4. a)Complemento do Vestibular

Algumas universidades, principalmente públicas, utilizam o Enem para complementar a nota do Vestibular.

As regras e critérios de seleção variam bastante entre as instituições. De maneira geral, se você for bem no Enem pode usar essa nota junto com o Vestibular Tradicional para melhorar sua pontuação e, assim, aumentar suas chances de conseguir uma vaga no curso dos seus sonhos.

4.b) Substituição do Vestibular

Em alguns casos, a nota do Enem pode substituir completamente as provas do Vestibular. Basta apresentar seu desempenho e, caso ele esteja dentro dos critérios exigidos pela universidade, é só fazer a matrícula.

Isso acontece com bastante frequência em faculdades privadas e as notas mínimas variam de acordo com a instituição.

5. Certificado de Conclusão do Ensino Médio

O Enem também serve para conseguir o certificado de conclusão do ensino médio. Pessoas que, por algum motivo, não estão em uma escola regular ou pararam de estudar há muito tempo podem utilizar esse recurso para comprovar sua escolaridade.

Para obter o certificado, é necessário marcar essa opção no ato da inscrição do Enem, ter pelo menos 18 anos completos na data da primeira prova e atingir a pontuação exigida: pelo menos 450 pontos nas provas objetivas e 500 pontos na redação.

Vale lembrar que alunos regulares do ensino médio não precisam fazer essa opção, pois ao passarem de ano na terceira série do ensino médio já receberão o certificado automaticamente.

Faculdades que aceitam o Enem
Confira algumas instituições autorizadas pelo MEC a oferecer cursos de nível superior que aceitam o Enem:

5 Dicas práticas sobre Matemática

cropped-matematica

Tenho estudado muito esse assunto, nos últimos anos. E posso afirmar que os resultados desses estudos tem sido muito relevantes. O motivo é simples, uso apenas casos reais, de estudos científicos que dão embasamentos para aplicar com meus alunos.

O Brasil definitivamente precisa mudar a forma de ensinar Matemática ou vamos ficar sempre na “Berlinda”, e a prova disso é que houve queda nas médias de Matemática e Português, na comparação entre 2011 e 2013.

Um desses estudos foi feito pelo Movimento Todos pela Educação (TPE), com base na avaliação dos alunos aferida pela Prova Brasil e pelo Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb): somente 9,3% dos estudantes do 3.º ano do ensino médio tiveram aprendizado considerado adequado em Matemática em 2013. Em Português, o porcentual foi de 27,2%. O número é inferior a 2011, quando 10,3% e 29,2%, respectivamente, atingiram as notas.

Mas afinal de contas, como fazer funcionar a engrenagem e aprender Matemática?

1)NÃO PULE ETAPAS E NÃO PERCA AULAS

Não adianta faltar na aula porque o professor não vai pedir trabalho ou porque sabe que hoje ele só dará conteúdo inicial,saiba que os conceitos básicos representam de 30% a 40% da dificuldade que a maioria dos alunos têm e também se atente ao fazer o passo-a-passo de qualquer exercício,acredite ,se o exercício é fatorado daquela forma é porque se faz necessário para melhor compreensão e fixação.

 

2)COMECE NO NÍVEL UM E SUBA GRADATIVAMENTE

Pense no seguinte , um atleta que corre uma maratona não iniciou o primeiro dia de treinamento com a meta do último recorde e nem com a intenção de conseguir o trajeto inteiro,ao contrário,a meta dele poderia ser apenas 10% e ,aos poucos, ele vai aumentando a dificuldade para o corpo ir se acostumando e desempenhando cada vez melhor porque ,simplesmente,estava mais preparado conforme o tempo de prática .

 

3)PRATIQUE

Muitas vezes eu mesma me deparo administrando cada minuto do meu dia e faço isso com a maior cautela pois sei que aproveitando melhor o tempo no transito,na espera da consulta médica ,na espera do ônibus ou até mesmo aqueles minutos antes de dormir que o sono teima em não chegar também é tempo de treinar o exercício diário,tenha sempre seu livro por perto ou o celular/tablet onde tem aquele arquivo;pode parecer bobeira mas você verá que alguns 30 minutos por dia já fará diferença no seu rendimento.

 

4)MATERIAL DE QUALIDADE

Tenha um bom material de estudo e isso pode ser garimpado na internet ou faça suas economias e compre aquele livro ou apostila que tanto almeja e é completa(o) e debulhe /destrua/ faça a maior quantidade de exercícios que puder,diariamente, lembre-se que enquanto damos desculpas para atingir o objetivo e vencer alguma dificuldade , tem um concorrente nosso estudando e se preparando,afinal,você acha que mesmo os craques(Neymar /Cristiano Ronaldo) e estudiosos (Thomas Edison/ Einstein) não tinham uma rotina forte de prática diária?

 

5)TIRE DÚVIDAS

Se terminar a aula e ficar com alguns pontos de interrogação ou conceitos que não ficaram claros ,anote e na primeira oportunidade ,esclareça com o amigo,o professor ou até mesmo em vídeos na internet mas não fique com a  dúvida,ela COM CERTEZA irá te atrapalhar mais pra frente quando o conceito for aprofundado ou adentrar num novo conceito que tiver como base o anterior.

 

 E VAI PRA CIMA,PERSISTA,NÃO PODEMOS NOS DAR O LUXO DE DEIXAR O SONHO ESCORRER ENTRE OS DEDOS.

Reforço Escolar é Produtivo?

Reforço escolar é bom?

Há escolas que oferecem acompanhamento paralelo às aulas normais para as crianças com dificuldade em determinadas matérias. Veja as vantagens desse esquema estratégico

Foto: Nunca é tarde para turbinar a aprendizagem! Se seu filho precisa de apoio, converse na escola e veja como providenciar

Nunca é tarde para turbinar a aprendizagem! Se seu filho precisa de apoio, converse na escola e veja como providenciar

Ninguém é igual a ninguém, portanto é natural e esperado que o ritmo de aprendizado seja diferente para cada criança. Ao longo do ano, sempre aparecem defasagens entre os alunos: uns são mais rápidos, outros têm mais dificuldade. Para que esses desníveis não se acentuem com o tempo, muitas escolas têm oferecido programas de reforço escolar no horário contrário ao das aulas. “Temos um sistema com metas gerais, mas cada indivíduo é de um jeito”, explica Harlei Florentino, diretor do Colégio Oswald de Andrade, de São Paulo. “Por mais que as aulas procurem atender às necessidades de todos, às vezes é preciso dispor de um tratamento mais individualizado”.

No reforço, os alunos com essas chamadas defasagens – diagnosticadas por professores, com apoio da coordenação ou da diretoria – são reunidos em pequenos grupos para aulas mais dirigidas. “Assim são resolvidos problemas pontuais de assimilação de conteúdo”, diz Harlei. A professora Maria Alzira, coordenadora do 1º e 2º ano do Fundamental I do Colégio Sion, também na capital paulista, defende igualmente o papel do reforço na instituição: “Nosso objetivo é dar suporte para que a criança supra as suas dificuldades e avance no processo de aprendizagem de forma tranquila”.

Em algumas cidades, o reforço escolar tem sido implantado como uma ferramenta indispensável para os anos da alfabetização. É o caso de Joiville (SC), que tem quase 30 escolas da rede municipal equipadas para aulas especiais no contraturno. Na Escola Municipal Prefeito Wittich Freitag, em Joiville (SC), seis ou menos alunos são reunidos para atividades com recursos tecnológicos, como softwares de alfabetização. “O resultado é muito positivo. Diria que 98% dos alunos saem do reforço lendo e escrevendo”, comemora a diretora Marileia da Cunha Melo.

Conheça algumas vantagens das aulas de reforço na escola como aliadas do aprendizado de seu filho.

1)As aulas são mais dinâmicas e divertidas:

Para envolver os alunos com dificuldades no Ensino Fundamental, é comum que o reforço escolar seja pensado de maneira mais lúdica. Nas aulas, os professores propõem jogos, recursos audiovisuais e muitas vezes se comunicam de maneira mais personalizada com os alunos – que, em geral, são poucos ou apenas um por vez. “Escolhemos professores com perfil próprio para esse apoio: que tenham paciência, amor e, principalmente, persistência”, ressalta a diretora Marileia da Cunha Melo.

2)A escola se responsabiliza pelo aprendizado?

Quando o reforço é feito na própria escola, isso mostra como a instituição está preocupada em resolver as dificuldades dele ali mesmo – sem esperar que os pais cuidem disso com professores particulares. A criança também entende que é ali que ela terá suas dúvidas resolvidas, o que realça a relação de confiança que tem com o lugar.

3)O problema pode estar na comunicação professor/aluno.

Isso não quer dizer que se trate de um mau professor, assim como não é o caso de seu filho ser necessariamente um mau aluno. A comunicação no aprendizado de um determinado tópico pode estar falha. Por isso a explicação de outro professor pode fazer toda a diferença. “Optamos muitas vezes por professores em início de formação, que podem explicar tópicos de maneira nova, sem os hábitos acumulados nos anos de ensino”, conta Harlei Florentino, do Oswald de Andrade.

 

4) Reforço na escola não vicia.

Sua preocupação é que seu filho transforme as aulas de reforço em uma espécie de muleta de aprendizado? Essa deixa de ser uma questão quando a política da escola é retirar o aluno do reforço assim que ele estiver apto a acompanhar o restante da classe, como ocorre no Colégio Sion: “A criança não tem tempo determinado de participação no reforço, podendo ser liberada ou convocada a qualquer momento do ano letivo, de acordo com as necessidades individuais”, explica a coordenadora Maria Alzira.

 

5)Aprender a estudar

O reforço pode ser a oportunidade de a criança aprender a estudar de forma diferente da que vinha adotando. Como estará em um grupo menor e com mais atenção do professor, ela percebe que método funciona melhor: ler em voz alta, fazer resumos ou exercícios. “O professor do reforço também dá orientações de estudo”, lembra Harlei Florentino, diretor do Oswald de Andrade.

 

 

Fonte:http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/reforco-escolar-bom-734924.shtml

 

15 Dicas Infalíveis para Vestibulandos e Concurseiros

Dicas Infalíveis para Vestibulandos e Concurseiros  Para o Dia da Prova

 

1- Durma bem e cedo
“É importante que o aluno não esteja, de forma alguma, cansado para fazer a prova. Portanto, o mais importante é que o estudante tenha dormido cedo e bem”, aconselha Célio Tasinafo.

 

2- Não abuse no esporte
“Se você gosta de fazer esporte ou ir à academia, pratique um pouco na véspera. Mas jamais perto da hora de dormir e não mais de 1 hora. Se não, você se cansará fisicamente para o Enem.”

 

3- Não beba
“O estudante não pode consumir bebidas alcoólicas na véspera do Enem porque ele não disposto no dia seguinte para a maratona de provas.”

 

4- Não coma alimentos estranhos
“Não ingira alimentos com os quais você não está acostumado, pois você pode ter uma indigestão na hora da prova. Por exemplo, não invente de comer acarajé pela primeira vez logo no dia 2 de novembro.”

 

5- Saia com os amigos
“Não é bom ficar em casa entediado aumentando sua ansiedade em relação ao Enem. Ao invés disso, saia com seus amigos. Mas faça programas leves e chegue cedo em casa. Uma sugestão é ir ao cinema. Nada de baladas!”.

 

6- Não estude
“Em geral, não é bom estudar na véspera do Enem. Muito menos faltando algumas horas para o exame, porque a probabilidade de você aprender algo útil em menos de um dia é mínima. Por outro lado, a probabilidade de você se desesperar com a quantidade de matéria que tem para estudar é imensa. Portanto, preze pelo seu sossego e sanidade mental antes e durante a prova. Se, mesmo assim, você não consegue ficar sem estudar, assista a um filme ou programa histórico, educativo. Ou talvez um documentário. Mas nada muito pesado, para não cansar nem estressar você antes do provão.”

 

7- Visite o local de provas antes
“Verifique se o local é de fácil acesso. Calcule quanto tempo você demora a chegar lá. Se você sabe que vai se estressar com a sua carona, encontre outra maneira de chegar. Considere o trânsito. Lembre que milhares de pessoas também vão querer chegar no mesmo lugar que você. Se for de transporte público, lembre-se de que as linhas de ônibus no final de semana funcionam com menos rapidez.”

 

8- Coma antes
“Coma uma hora antes de sair de casa para não chegar empanturrado. Mas, de forma alguma, chegue com fome. Tenha bom senso na hora de comer.”

 

9- Faça um checklist antes de sair de casa
“Verifique se você está levando mais de uma caneta preta, no caso de uma delas estourar ou para de funcionar. Separe seu documento de identidade, pois ele será necessário no dia. Leve consigo algo para comer durante a prova, mas nada muito pesado.”

 

10- Substitua o chocolate por uma bala de caramelo
“O chocolate é bom porque oferece energia numa hora em que necessitamos, quando as letras já estão embaralhadas e nossa mente está cansada. Porém, ele é de difícil digestão. Por isso, substitua o chocolate por uma bala de caramelo, que terá os mesmos efeitos e é digerida mais facilmente.”

 

11- Leve água
“Novembro é um mês muito quente em todo o País. Portanto, traga uma garrafinha de água para se hidratar. A água também ajuda a acalmar e fazer os pensamentos fluírem melhor. Porém, não exagere, se não você terá que ir ao banheiro na hora da prova.”

 

12- Não chegue cedo demais
“Também não precisa chegar lá às 9 horas, sendo que a prova é à 1 da tarde. Você ficará mal acomodado, em pé ou sentado no chão, terá, provavelmente, dor nas costas, sob o sol, entre outros. Chegue uma hora antes, no horário que, inclusive, os portões são abertos, às 12 horas.”

 

13- Não coma comidas do local
“A comida vendida na frente do local onde você fará a prova nem sempre é da melhor qualidade. Aquela salsicha do cachorro quente pode estar estragada ou aquela fritura pode ser forte demais. Prefira comidas leves, industrializadas e, de preferência, traga-as de casa.”

 

14- Chegando no local…
“Vá ao banheiro, fique em um local arejado, na sombra, sem muito barulho e fique perto de pessoas que não estejam desesperadas. Não escute aqueles que estão debatendo matérias, números, datas; pois isso pode te desesperar se você não souber do que eles estão falando. Normalmente, quem vem com esses quizzes, não sabe mais nada além do que está debatendo.”

 

15- Não perca tempo durante a prova
Se você tiver seguido todas as dicas, não terá problemas na hora em que estiver realizando a prova. “Como tempo é curto, se você parar para ir ao banheiro, ou não souber controlar sua fome, você perderá um tempo precioso e isso pode atrapalhar seu rendimento”, finaliza o professor.

 

Como controlar a ansiedade antes do ENEM?

COMO CONTROLAR A ANSIEDADE NA HORA DA PROVA

Muitos alunos se preocupam demais com seu desempenho em provas. Um pouco de preocupação é saudável; caso contrário, a maioria não estudaria para elas. Mas ansiedade demais é extremamente nociva: prejudica o raciocínio, pode causar lapsos de memória e diminuir o foco e a concentração.

Neste artigo, oferecemos algumas sugestões de como controlar a ansiedade na hora da prova:

A primeira sugestão é óbvia, mas para muitos alunos, é a mais difícil de ser seguida: prepare-se bem para a prova. Quanto mais bem preparado você estiver, menos ansioso se sentirá. O ideal é que você mude a forma de encarar os testes. Em vez de enxergá-los como um mal necessário, passe a vê-los como um desafio e uma oportunidade de demonstrar sua disciplina, empenho, inteligência, memória e raciocínio.

Não estude para a prova na véspera. Comece a se preparar com antecedência. Se a prova for muito importante ou testar muito conteúdo, comece a se preparar para ela no mínimo duas semanas antes. Além de estudar o material didático que consta no livro ou na apostila, revise as anotações que fez em classe. Em outros artigos, isto foi dito e será repetido aqui: não deixe para estudar para a prova na véspera. Se você se preparar com antecedência, sentirá muito menos ansiedade no dia do exame. Isso porque você terá tido tempo suficiente para estudar e revisar o material, fazer séries de exercícios para testar se realmente entendeu o que estudou e tirar dúvidas com o professor sobre qualquer assunto que não tenha compreendido.

Contudo, se decidir estudar para a prova na última hora, saiba que estará correndo uma série de riscos, que provavelmente aumentarão sua ansiedade. Você pode descobrir que é matéria demais para estudar em tão pouco tempo ou que os conceitos são complexos e não há tempo suficiente para dominá-los. Ao fazer séries de exercícios, você pode concluir – quando já for tarde demais –, que não compreendeu a matéria tão bem quanto imaginou e aí já não há mais tempo para tirar dúvidas com o professor.

Inegavelmente, é difícil ter disciplina para começar a estudar para um teste com uma ou duas semanas de antecedência. A maioria dos seres humanos, independentemente de idade, tem dificuldades em não postergar o que não gosta de fazer. Mas esse tipo de disciplina é a melhor fórmula para reduzir os sentimentos de ansiedade e nervosismo que tanto afligem e prejudicam os alunos.

– É fundamental que você mantenha uma atitude positiva e confiante durante seu preparo para a prova. Mesmo que o material seja longo e complicado, não desista. Atitudes como “eu nunca vou entender essa matéria”, “nunca fui bom nessa matéria mesmo”, “não sou bom de estudo” e “vou bombar de qualquer jeito” são a fórmula certa para o fracasso acadêmico. Se você esperar o pior e entrar no dia da prova com uma atitude derrotista, seu desempenho dificilmente será bom. Por outro lado, caso se sinta confiante e tenha a paciência de estudar a matéria, pouco a pouco, descobrirá que é mais capaz do que julga ser. O fato de um aluno demorar mais que seus colegas para compreender algum assunto não significa falta de inteligência. Geralmente significa que não tem familiaridade com a matéria. Muitas vezes, há apenas uma diferença entre um bom e um mau aluno: este desiste, aquele persiste.

Seja no preparo para a prova, seja no próprio dia da prova, não pense que qualquer conceito está fora do alcance da sua inteligência. Tenha um pouco de paciência consigo mesmo. O que é difícil hoje parecerá muito mais fácil amanhã. Quando um aluno se esforça para compreender algum conceito, é apenas uma questão de tempo até que ele o domine.

– Se for possível, faça exercícios físicos nos dias que antecedem a prova. Isso reduz estresse e ansiedade. Além disso, pesquisas indicam que a prática de exercícios físicos estimula o cérebro – melhora o raciocínio e a memória.

– Tente dormir bem na noite anterior a prova. (Isso é mais um motivo para você não deixar seus estudos para a última hora). Uma boa noite de sono é uma ótima forma de combater o estresse e a ansiedade. Quando dormimos bem, sentimo-nos melhor. Mas o oposto também é verdadeiro. Pouco sono prejudica a memória. Além disso, estudos indicam que a falta de sono resulta em ansiedade, nervosismo, falta de concentração e fadiga mental.

– Tente chegar cedo ao local da prova. Pessoas que chegam atrasadas geralmente chegam ansiosas.

– Durante a prova, mesmo que ela pareça ser um bicho de sete cabeças, tente manter a calma. Caso se sinta muito ansioso devido à dificuldade das questões, respire profundamente e tente relaxar. A respiração profunda diminui a ansiedade e melhora a concentração.

– Leia as instruções da prova com cuidado. Se houver alguma instrução que não tenha compreendido, não hesite em tirar a dúvida com o professor/supervisor. É importante que as instruções sejam claras. Se não forem, peça que o professor as explique. Lembre-se: se você não ler, não entender ou não seguir as instruções, corre o risco de ter um péssimo desempenho na prova, mesmo que conheça bem o assunto.

– Antes de iniciar a prova, tente calcular quanto tempo vai demorar em cada questão. Se souber administrar bem o tempo, você se sentirá menos ansioso.

– Antes de responder às questões da prova, anote nela as fórmulas e os dados que você decorou. Assim você não precisará se preocupar com a possibilidade de esquecê-los.

– Foi detalhadamente explicado em outros artigos do 10emtudo que você deve começar a prova pelas questões mais fáceis. Isso lhe dará um sentimento de confiança. Por outro lado, se você decidir começar pelas questões mais complexas, há a possibilidade de você desanimar. Questões difíceis podem fazê-lo questionar seu preparo para o exame.

Em alguns casos, as primeiras questões são as mais fáceis. Mas há casos em que a prova começa com as mais difíceis. É até possível que a primeira questão seja a mais difícil. Não se deixe intimidar. Seja mais esperto que o criador da prova: encontre as questões mais fáceis e responda a elas. Deixe as mais difíceis por último.

– Durante a prova, não seja influenciado pelos sentimentos de outros alunos. Se eles estão ansiosos, não permita que a ansiedade deles o afete. Se eles acham a prova difícil demais, não significa que seja. Também não se deixe influenciar pela velocidade com a qual eles respondem às questões. Fazer uma prova rapidamente não significa conhecer bem a matéria. Utilize bem o tempo, concentre-se em fazer uma boa prova.

– Se você não souber como resolver uma questão – mesmo que seja a primeira da prova – não fique ansioso e certamente não se desespere. Passe para a seguinte . Depois de responder a todas as questões fáceis, volte para as difíceis. Lembre-se: você não precisa acertar absolutamente todas as questões da prova para tirar uma boa nota.

– Concentre-se na prova. Quando nossa mente está concentrada em uma tarefa, há menos chances de ser contaminada por sentimentos de ansiedade, insegurança e nervosismo. Se em vez de pensar nas questões, você ficar divagando, terá mais dificuldade em fazer uma boa prova. A concentração é um recurso fundamental. Não a perca por nada. A melhor dica de como controlar a ansiedade na hora da prova é manter a concentração.